Contos

Jumenta


Comeu a grama entre murmúrios, foi chamada de burra, jumenta, mula, égua. Em choro baixo, mas não ouviu o bruto ir embora. Recolheu a calcinha suja de terra, bonequinhas desenhadas lhe sorriam, e a colocou de encontro ao peito. Ardia-lhe entre as pernas. Foi ao riacho refrescar-se. Dos olhos corriam rios de estrelas foscas. Na mata os pássaros piavam fim de tarde, grilos na mesma cantoria. À companhia dos bichos, alguns fracos soluços ainda borbulhavam na margem do rio. A noite já chegava. O mundo longe demais.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s